“What if this is not the darkness of the tomb but the darkness of the womb? BREATH & PUSH AMERICA!! (VIDEO)

will you please think about this?

Tent of Abraham

then-and-nowIn the days and weeks after the election I like many Americans experienced a profound sense of despair and depression.  I considered leaving the country. I shut off the TV and stopped reading the newspaper.  I could no longer bring myself to lead a bi-weekly discussion about current events at a senior adult residence; reality was too painful to discuss, tears and rage came too easily.

The Women’s March on January 21st was the first light I saw at the end of a dark tunnel; millions of Americans gave a loud cogent ‘no’ to the anger, intolerance, xenophobia and chauvinistic nationalism that seated a totally unqualified,  unstable narcissist in the Oval Office.

Then again on Saturday, January 28 millions of my countrymen without any planning or pre-organization took to the streets and appeared at America’s airports to say loudly and clearly NO to Trump’s on immigration ban of immigrants from 7…

View original post mais 194 palavras

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

EN DEFENSA DE LA ESCUELA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES Y EL MST. BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

Provávelmente por distração minha desconhecia este destaque do Prof. Boaventura Sousa Santos.

5 noviembre 2016 Ante la incursión policial truculenta, arbitraria e ilegal (sin orden judicial) en la sede de la Escuela Nacional Florestan Fernandes (ENFF) durante la mañana del pasado viernes (0…

Fonte: EN DEFENSA DE LA ESCUELA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES Y EL MST. BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

Publicado em Sem categoria

Gazeta Wyborcza Reported Despair Amongst Ukrainian Soldiers in the Donbass

Seguramente o novo poder polaco não deixará a Gazeta Wyborcza viver muito mais tempo.
O jornalismo independente não interessa aos poderes actuais.

Voices from Russia

00 Job. dead ukrainian soldiers, Krasny Partizan 01. 06.06.15

_________________________________________

The minder of the Polish journalists was a junta officer with the call sign “Fidel”; he graduated from officers school four months ago and immediately went to war. He said that the positions of patriot forces were just 500 metres from those of the junta forces. That’s a very small distance, so patriot snipers are an increasing threat to junta soldiers. Junta militants told the journalist:

The day before your arrival, a heavy shell struck and damaged an APC. Our positions are constantly under fire from heavy automatic weapons and grenade launchers, and at night, mortars also join in, but our units only fire in cases where there’s an immediate threat to life.

One of the junta officers complained to the Polish journalists:

We have to just watch and wonder what to expect, when they fire at our soldiers. These trenches have many fragments of unexploded ordnance. Therefore, it’s…

View original post mais 238 palavras

Publicado em Notícias e política | Publicar um comentário

Sol dourado

 

Fotografia3652

Acabou de se esconder o sol dourado e quase tudo é este poema.

This room, how well I know it.
Now they’re renting it, and the one next to it,
as offices. The whole house has become
an office building for agents, businessmen, companies.
This room, how familiar it is.
The couch was here, near the door,
a Turkish carpet in front of it.
Close by, the shelf with two yellow vases.
On the right -no, opposite- a wardrobe with a mirror.
In the middle the table where he wrote,
and the three big wicker chairs.
Beside the window the bed
where we made love so many times.
They must still be around somewhere, those old things.
Beside the window the bed;
the afternoon sun used to touch half of it.
. . . One afternoon at four o’clock we separated
for a week only . . . And then-
that week became forever.

Constantine P. Cavafy
Publicado em Literatura, Poesia | Publicar um comentário

Fala-lhes de elefantes…

Da Ode à Primavera

Ouve o canto do rouxinol, vê,
a primavera chegou,
Todos os jardins despertaram para a vida,
acordados pelo sopro primaveril,
E das amendoeiras pendem botões de flores prateadas,
Bebe e desfruta, porque os dias de primavera em breve acabarão.

……..

jpg mesihi de pristina

assim escrevia o poeta Mesihi de Pristina (1470-1512) companheiro de Michelangelo Buonarroti durante a sua estadia em Constantinopla, talvez para tornar risível a dor dos dois…

Mathias Énard conta-nos a história hipotética dessa viagem. É irrelevante saber se Michelangelo a fez ou se perspectivou a ponte para Bayazid (ainda que o desenho exista). Importante é deixar-nos adivinhar o homem já afrontado ao poder papal agora pouco tolerante com os códigos  da corte de Constantinopla.

Em raiva por não poder recusar a encomenda – cujo pagamento é importante, tratado generosamente, ressentido com o estatuto de Leonardo, Michelangelo desenha muito, bebe muito e mergulha nos cheiros, na música e na sedução das sombras do Bósforo. 

É pelos meandros dessas noites que Mathias nos envolve com o humano  afrontado ao poder, desenhando furiosamente, atraído para os seus dúbios amores de Primavera e por isso mesmo sujeito e objecto  do engano.

Em todo o caso uma história de amor contida, um sofrimento que irá explodir no tecto da Capela Sistina – a vingança maior de que vai ser objecto o Papa Júlio que, aqui para nós, bem a mereceu.

 Mas conta-nos, sobretudo, do HOMEM, sua dor, natureza e condição.

E é muito bonito este texto.

 

Publicado em Literatura, Sem categoria | Publicar um comentário

Olga Bergholz

Ode à Leningrad et Leningradites

Nous sommes maintenant sur vous ne se détache pas.
Avec la lutte l’un de tous les temps,
Un destin unique
Nous sommes tous marqués. Nous – le peuple de Leningrad.

Nous sommes fiers de savoir pour les rides
Dans les lèvres serrées, les sourcils ont changé,
Dans les genoux pointus et courbés,
Selon les doigts noircis par le charbon.

Nous apprenons du sourire: peu fréquents,
Mais convivial, simple et clair.
Par la foi dans la vie. Dans une terrible soif de bonheur.
Selon l’habitude glorieuse du travail.

Nous ne kichimsya pas leur vie quotidienne:
Notre chemin est pas facile et la charge est lourde,
Mais sachez que le nom du vaincu,
Ce qui restera pendant des siècles.

Que ce soit notre fraternité sombre
dun autre monde meilleur – pour toujours,
Alors que, même dans l’avenir Leningrad
Elle est égale à l’homme le plus courageux.

Que la lumière soit le cœur du bonheur
Tout le monde qui a dit,
– Aimez-vous la façon comme Leningrad …-
Qu’il y ait une mesure de l’honneur Leningrad.

Oui, il aimera la mesure sans fond
Et la puissance de la vie humaine,
Alors que, dans un moment de doute, comme un symbole de la foi,
hitter Solide son nom.

Nous avons maintenant lui ne se détache pas:
Partout où nous avons pas de guerre –
Son âme est pleine de grandeur,
Et nous sommes partout – Leningrad.

Olga Bergholz nasceu em Maio de 1910 em São Petersburgo e desde cedo começou a escrever poesia. Depois dos estudos superiores trabalhou como jornalista mas o cerco de Estalinegrado encurralou-a na cidade.

Durante os 900 dias de guerra ocupou o seu posto na rádio onde lia os poemas que  eram ouvidos nos abrigos e que ajudaram os combatentes, a resistência e a restante a população a superar, de algum modo, a guerra, a fome, os ferimentos, a morte durante as longas 900 noites.

Deixou o testemunho desta época nos “Diários de Fevereiro”. Continuou a escrever (também sobre a sua vida política e afectiva) até falecer em 1975. As suas memórias “Day Star” foram passadas ao cinema  em 1966 sob a direcção de  Igor Talankin com Alla Demidova no personagem de Olga.

 

 

 

 

 

 

Publicado em Poesia | Etiquetas | Publicar um comentário

Ma Lin abensonha estreia de Mia Couto em chinês

Somos todos aves raras de outro planeta. Mia Couto em voo directo para a China. Mas aqui é segredo?

foto ma lin (1)

Cláudia Aranda

Ma Lin é a tradutora da obra de Mia Couto A Confissão da Leoa, a primeira de um autor moçambicano a ser transposta para chinês. Ao Parágrafo, a tradutora adiantou que tenciona entregar a versão final adaptada para chinês no final de Agosto de 2016, “como foi combinado com a Penguin Books”. O romance deverá ser publicado na China ainda este ano.

Assim que o Parágrafo teve conhecimento de que o livro A Confissão da Leoa, de Mia Couto, iria ser traduzido para chinês, procurou saber quem iria fazer essa tradução, a primeira para chinês de um autor moçambicano. Chegámos, assim, ao contacto com Ma Lin, nascida no ano de 1989, em Pequim, e actualmente a prosseguir o doutoramento no Estado de São Paulo, no Brasil. Nesta entrevista, Ma Lin fala em detalhe sobre os desafios que se colocam ao tradutor e descreve alguns dos “truques”…

View original post mais 2.331 palavras

Publicado em Literatura, Sem categoria | Publicar um comentário